segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Perguntas Erradas


-“Tens filhos Paula?”
-“Não. Biológicos, não. Eu sou estéril. Mas adoptei três bebés. O mais velho tem agora 14 anos. Tem um problema de fala, vive com o pai em Braga, e está a ser tratado. A mais nova é ainda bebé, tem 2 anos. E a mais nova tem 6 anos, é a Deusa. É uma menina muito inteligente. É filha de uma mulher maluca. A mãe teve de ser acorrentada, nos últimos dias da gravidez, para dar à luz e não lhe fazer nada de mal. Mas agora não vivem comigo. Vivem com a minha irmã, porque eu saio muito cedo e regresso a casa tarde do trabalho. Eu vivo sozinha.”

Quando anoitece, Paula prefere ir até casa sem companhia do que com brancos – “torna-se mais perigoso para vocês regressarem sem a companhia de um local”.

A Paula vive num musseque, por isso não tem as filhas com ela. Está divorciada de modo que tem de trabalhar e chega a casa já de noite.

“Quando chegar a casa isto já está descongelado” desabafa enquanto observa os filetes de peixe que seriam para o almoço de domingo, e não havia luz na zona. Aqui falta a luz de rede com muita frequência e a maioria das pessoas não tem gerador, luxo dos mais ricos. Factor que acaba por complicar adicionalmente vidas já tão difíceis nem mesmo antecipando as refeições dos próximos dias.

O Mário que entretanto se aproxima entra na conversa e questiona a sua origem:
- “Donde és tu, Paula?”

- “Eu nasci em Humpata. Fui circuncisada.” Ouvi esta atrocidade e arrepiei-me.

Perdi a capacidade de descrever essa mutilação, forma de eliminar o prazer sexual feminino, grave ofensa contra os direitos humanos, desde que me forcei a ver até ao fim uma reportagem relacionada, na minha adolescência. Felizmente a Paula sobreviveu mas muitas meninas morrem de imediato do sangramento ou de infecções relacionadas, e acarreta riscos de saúde permanente para as que sobrevivem.

Faltavam-me as palavras.
É o Mário quem questiona que aquilo não se faz há anos. Fazem-se apenas rituais religiosos simbólicos. Mas a Paula teve o azar de nascer em 1968, num ano em que ainda se cumpriam esses rituais na província de Huíla. Ficamos sem saber se a esterilidade da Paula, não será causa/ efeito de tal mutilação. Mas fica provada a inutilidade de tal ritual que, entre muitas razões, alega não se poder conceber sem esta ignorante prática.

Ficámos a observá-la de queixo caído, ombros baixos, pensativos, voz triste, condoídos.
Como podem pessoas serem capazes de práticas abomináveis que nem os animais cometem?
Como pode uma pessoa sorrir assim, depois de tantas maldades que lhe foram infligidas?

Há perguntas erradas que nos fazem correr o risco de aumentar a admiração por algumas pessoas e a raiva pela estupidez humana, num mundo com tanto potencial e porém, tão longe de ser perfeito.