sábado, 4 de agosto de 2012

O Galo Com_Fuso


Há um galo com_fuso horário em terras africanas. Cacareja da meia-noite às oito da manhã, e ninguém diz ao Senhor Galo que o horário está errado!

Baralha-me os sonhos. Que desgraçado!

Os galos normais cantam ao nascer do Sol, lá para as cinco da madrugada. Mas este galo tem a mania que é especial.

Deve ter pancada! Levou tantas bicadas naquela cabeça de galinha, que ficou com o relógio avariado.

Não há um pinto ou uma galinha, capaz de uma boa acção, que acorde esta alminha às horas certas para o cumprimento da sua nobre tarefa? Este é certamente um galo que precisa de ajuda. É melhor levá-lo a um Psicógalo com urgência! 
 
Porém, já ninguém lhe tira o mérito: é um grande galo, sim senhor! Tomara muitos frangos terem tanta pedalada! 

Canta horas a pio, seguidas. Às seis da madrugada está rouco. É quando deixa de ser o Senhor Galo... e passa a ser o Tenor Galo! Já o tenho imaginado em sonhos numa grande opereta, em que ele en_canta a assistência de galinhas e depois as galanteia.

Tenho esperança ainda que encontre a sua galinha-metade, uma galinha do campo ou uma mãe-galinha que lhe baixe a crista, e que cure este galã de uma vez por todas. Há-de ficar uma pinta de galo!

Os meus sonhos é que andam trocados, graças ao galo que mora ao lado. Às tantas acordo e nem sei a quantas ando! Ouço o galo a toda a hora.

Grande galo o meu!… ou melhor o da vizinha… que é muito melhor que o meu!