sábado, 21 de julho de 2012

Em África... Despe-te.

Sacode o pó dos ombros
Desempoeira-te...

Despe-te de preconceitos.
Despe todos esses fatos sociais que te vestiram.
Porque

Por aqui
até o pijama é curto.

Despe-te
Mesmo quando a consciência se baralha e veste-te
insiste e tira.

Nem tanto pelo calor...
Mas porque rapidamente percebes que é o mais certo.

Está tudo nas origens.
Corre na veias

E o sangue fervilha ao ritmo do tambor...

Apesar de tudo 

Que dá vontade de chorar
Com jeito
Vais embora a sorrir.
 
O que mais procuras encontrar
Talvez comeces a entender.
 
E pode ser que descubras...
No mistério destes sorrisos
No andar despreocupado
Na alegria destes olhares...

O que é ser genuinamente Feliz.